A aprendizagem circula pelo sujeito desde os seus primeiros momentos de vida, entretanto, é na escola, por ser um dos principais espaços formais de aprendizagem, que a busca do conhecimento e organização dos saberes do dia a dia são concretizados e apreendidos. Portanto, a intervenção do educador, como um mediador do conhecimento, promove aprendizagens significativas para e com os estudantes.

A alfabetização, que é um processo contínuo e de crescimento gradativo e, que não está somente relacionado ao codificar e decodificar letras, mas sim a interpretação e compreensão de conhecimentos e do mundo. Sendo a alfabetização um momento marcante, significativo e desafiador na e da jornada escolar de um estudante, o papel do professor também tem importante participação. Pensando a partir deste aspecto, a efetividade da alfabetização acontece quando o aluno torna-se preparado para exercer, compreender e interpretar os métodos sociais da leitura e da escrita.
E, durante esse momento, o estudante se apropria do ensino e da aprendizagem.  Apropriação do ensino aprendizagem, para que se possa apreender, se faz necessário que esta troca de posições, ora aprendente ora ensinante, possa permear no processo. Para apreender é preciso autorizar ao outro ensinar.

Durante a alfabetização, o professor é desafiado constantemente na prática pedagógica para que possa atingir e compartilhar conhecimentos com todos os estudantes, visto que cada um é diferente do outro e com características de aprendizagem específicas. Importante lembrarmos que a aprendizagem se dá a partir de relações saudáveis e prazerosas, podendo ser este o maior desafio do educador.

Os desafios na sala de aula são constantes, mas, com reflexão e trocas é possível exercer um excelente trabalho de construção de conhecimento entre educador e educando.

Aulas dinâmicas e que se apropriam dos conhecimentos já vivenciados pelo aluno podem auxiliar e favorecer esta aprendizagem.

Um educando instigado, desejando aprender e integrado favorece a todos envolvidos, tornando o fazer pedagógico mais ativo e, com isto, resultados positivos e sujeitos felizes. O caminho é desafiador e este deve ser o motivador ao educador também.

Contribuição da psicopedagoga do Espaço Dom Quixote,

Alexsandra Leal